Por Daniel Paulino

Para o Jornal Agora Santa Inês

Em 15-04-2008

 

 

TV DIGITAL, QUE BICHO É ESSE?

Passei horas pensando sobre o ia escrever nesta coluna. Afinal, são tantas coisas pra se falar sobre tecnologia.

Ai olhei pra TV e pensei: TV Digital.

Nos últimos dias muito sem se falado sobre TV Digital. Mas você sabe que bicho é esse? Então entenda:

A televisão no Brasil surgiu em 1950, trazida por Assis Chateaubriand que fundou o primeiro canal de televisão no país, a TV Tupi. Desde aquela época, até hoje, a TV tem utilizado o sistema analógico de transmissão, que atualmente já tem até data marcada para encerrar suas transmissões em 29 de junho de 2016. Depois disso só ficará o sinal Digital.

A TV Digital, teve início no Brasil às 20h 30min do dia 2 de dezembro de 2007, inicialmente na cidade de São Paulo, seguindo o padrão japonês, com algumas alterações, chamado de ISDB-TB (Integrated Services Digital Broadcasting – Terrestrial), que é a sigla do sistema de TV Digital Terrestre Brasileiro.

 

Por que se chama TV Digital?

Quando se fala em TV, existem, basicamente, duas maneiras de transmitir os dados: de forma digital ou analógica.  Vejamos as diferenças:

O Sinal analógico é um tipo de sinal contínuo, que varia em função do tempo, podendo assumir infinitos valores dentro de determinados intervalos. Para entender o termo analógico, é útil contrastá-lo com o termo digital.

Na eletrônica digital, a informação foi convertida para BIT (Dígito Binário, ou “BInary digiT”, em inglês), que é a menor unidade de medida de transmissão de dados usada na Informática. Um bit tem um único valor, 0 ou 1,  verdadeiro ou falso, ou neste contexto quaisquer dois valores mutuamente exclusivos.

Isso deixa bem claro porque o sinal analógico tem imagem ruim, chiados, chuviscos, sons hora baixo, hora alto. O sinal analógico não é constante, não tem padrões, assume vários valores, enquanto que o sinal digital só pode assumir dois valores, que podem seguir padrões rígidos e podem ser analisados, ou seja, codificados e decodificados sem perda de qualidade ou “sinal”.

 

O que muda com a TV Digital?

O primeiro grande impacto é a ALTA DEFINIÇÃO, que aparece na mídia com as siglas em inglês: HD (High Definition - Alta Definição) ou HDTV (High Definition Television - Televisão de Alta Definição). Alta Definição significa ver mais detalhes na imagem (como nos cinemas, por exemplo). A introdução da HDTV será gradual, (mas as transmissões já vão iniciar no formato digital com resolução comum conhecida como SD de Standard Definition). O telespectador vai sentir a diferença, porque as distorções da TV analógica já citadas desaparecerão, ou seja, teremos uma imagem limpa e ainda um som com qualidade dos atuais CDs. Ouvir som Surround 5.1 (É um som com 6 caixas acústicas, realce dos graves, conhecido na mídia como som de Home Theater). Esse som somente será usado com HDTV. Tela no formato 16:9 (Esse número é a relação entre Largura e Altura da tela; às vezes é chamada de “tela de cinema” ou “tela larga”). Esse formato permite ver mais áreas das cenas do que a TV tradicional analógica, cuja relação é 4:3 (tela quase quadrada).

MOBILIDADE E PORTABILIDADE são características que vão acabar com a angústia de chegar rapidinho em casa para não perder “Aquele Programa”. O nosso sistema de TV Digital permite que os programas possam ser vistos dentro de ônibus, carros, barcos, aviões, Lap tops, em celulares com os telespectadores em movimento, nos computadores dos escritórios, ou até com receptores de bolso.

A INTERATIVIDADE permite fazer compras pela TV sem ter que usar telefone, votar em pesquisas, consultar o guia de programação das emissoras e outros serviços que vão aparecer à medida que a TV Digital for se consolidando em todo país.

 

O que preciso fazer para assistir a TV Digital?

 

1 - Verificar se próximo à sua residência é possível receber imagem de TV em UHF (Ultra High Frequency - Freqüência ultra-alta);

2 – Ter uma antena interna ou externa para receber o sinal UHF;

3 – Comprar um conversor digital (set top Box), que converte a TV Digital em TV analógica para os atuais televisores analógicos (Isto também inclui algumas TVs LCD ou de Plasma que estão à venda no mercado). Entretanto, com o uso deste conversor, a qualidade da imagem e do som será limitada pela TV desse usuário, embora a transmissão no formato de TV digital ajude a diminuir os efeitos causados por interferências que ocorrem na TV analógica aberta. Esse conversor também cuidará da interatividade.

4- Depois é só conectar tudo e sintonizar!

 

Para você pular o passo 3 e aproveitar realmente todo o potencial da TV digital, terá que comprar um aparelho de TV Digital Integrado, com conversor digital Completo e sintonizador de canais embutidos. Nessa situação não é necessário comprar nada; é só ligar o cabo da antena de UHF no televisor, escolher o programa e deliciar-se com a nova mídia

 

Vale a pena investir agora?

 

Eu lhe daria uma sugestão: não invista nesta área por enquanto. Não compre TV ou conversor agora pensando nisso. Até porque se você for fazer isto vai gastar algo em torno de 10 mil Reais. E o que é pior, até agora, apenas São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte podem receber programação em alta definição. Isto quatro meses após o lançamento oficial no país! E segundo cronograma disponível no site do Fórum SBTVD (Sistema Brasileiro de TV Digital - www.forumsbtvd.org.br), cidades como Brasília, Salvador e Fortaleza só devem receber a TV Digital até janeiro de 2010! Isto significa que nós, maranhenses, principalmente do interior do estado, vamos demorar pra ver toda esta tecnologia. Se o cronograma do governo for seguido, como está sendo até agora, só vamos ver essas inovações por aqui lá pra 2011, 2012 ou 2013. Mas tudo vai depender mesmo das transmissoras de nosso estado. Elas decidirão quando e quanto elas vão investir nesta área.

 

Por enquanto é só. Uma boa semana à todos e até a próxima edição!

 

 

Dúvidas, sugestões, críticas? Mande um Email: jdanielps80@hotmail.com

 

Atenção: Se for usar este artigo, respeite os direitos autorais, coloque o nome do autor.